25 / Novembro / 2015

Clientes MV saem na frente com reajuste anunciado pela ANS

Utilizando soluções que sustentam auditorias de órgãos certificadores, instituições de saúde estão preparadas para a conquista de selos de qualidade

Detendo em seu portfólio clientes acreditados pela Organização Nacional de Acreditação (ONA), pela Joint Comission International (JCI), pela National Integrated Accreditation for Healthcare Organizations (NIAHO) e pela Accreditation Canada, a MV é referência nacional para a conquista de selos de qualidade por instituições de saúde. Com a notícia de que, até o fim deste ano, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) lançará uma norma para que a qualidade dos estabelecimentos prestadores de saúde seja requisito nos reajustes dos valores pagos pelas operadoras de planos de saúde, clientes MV saem na frente nesse processo.

Utilizando softwares da MV que integram diversas soluções para responder com eficiência, agilidade, precisão e segurança a todas as necessidades de gestão da informação, hospitais, clínicas e laboratórios otimizam ainda mais seus processos e garantem maior eficiência para a conquista de qualidade na assistência por meio de padrões previamente definidos.

Como no método de acreditação na saúde não se avalia setores isoladamente e, sim, todos de modo interligado, por meio das soluções de Gestão Estratégica da MV as instituições de saúde têm condições de monitorar à vista indicadores assistenciais, administrativos e financeiros para acompanhar e controlar resultados alinhados com a visão e a estratégia institucional. Com ferramentas como Balanced Scorecard (BSC), Key Performance Indicator (KPI), Business Intelligence (BI) e Painel de Indicadores, os gestores acessam mapas estratégicos e comparações de desempenho com outras referências de mercado, garantindo uma gestão baseada em informações que impactam diretamente nos resultados.

Além disso, clientes MV ainda podem controlar, por meio das soluções de Gestão da Qualidade, desde os riscos apresentados com possíveis ameaças no ambiente externo até a gestão de documentos relacionados às rotinas desempenhadas pela instituição. Para isso, dentre o conjunto de ferramentas, estão disponíveis as que simplificam o gerenciamento de documentos; controlam não conformidades registradas, oportunidades de melhorias e outros eventos; e que permitem a identificação e o monitoramento de riscos apresentados, viabilizando redução de impactos provenientes de possíveis ameaças.

De acordo com a ANS, o objetivo é que a partir de janeiro de 2016 hospitais, clínicas e laboratórios com acreditações passem a ter o reajuste baseado no IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). Dessa forma, instituições de saúde que ainda não possuem selos de qualidade devem começar a se mobilizar para iniciar esse processo.