02 / Maio / 2019

MV apresenta na 49ª JPR primeiro recurso com inteligência artificial da Radiologia

JPR, inovação em saúde, inteligência artificial, radiologia,

No maior evento do segmento, mercado tem acesso ao que traz mudanças históricas na Saúde do Brasil

 

No segmento da Saúde, a Radiologia dá sinais de que será um dos mais importantes campos de aplicação da inteligência artificial. Considerando a atuação da MV e o potencial das suas inovações em Medicina Diagnóstica, esse é definitivamente um caminho certo. Na 49ª edição da Jornada Paulista de Radiologia (JPR), iniciada em 02 de maio em São Paulo-SP, a empresa líder nacional em software de gestão para a Saúde lançou o primeiro recurso com inteligência artificial para Radiologia no Brasil. Tendo como uma das bases o deep learning, o objetivo é automatizar achados radiológicos.

Integrado à plataforma VIVACE MV – que, dentre diversas soluções de diagnóstico por imagem, reúne o Picture Archiving and Communication System (PACS) para gestão de imagens médicas –, o recurso de inteligência artificial elenca prioridades na worklist do médico radiologista funcionando como um assistente virtual de análise. Com a triagem realizada entre imagens normais e anormais, é verificado automaticamente, antes do radiologista, os exames que devem ser tratados como prioritários conforme o estado do paciente. A análise ocorre a partir de algoritmos de reconhecimento de padrões e analogia em bases de conhecimentos. Além de melhorias de fluxo e otimização de centros de diagnóstico, o principal benefício é o maior cuidado com o paciente.

Em processos manuais ou com tecnologias pouco avançadas, o comum é a emissão de laudos pela lógica First In, First Out. De forma simplificada, o método determina que o primeiro a entrar é também o primeiro a sair. No contexto da Saúde, isso não representa a eficácia necessária porque a não priorização das situações de urgência pode ser prejudicial à condição clínica do paciente ou até fatal nos casos mais graves. “A inteligência artificial aplicada à plataforma da MV será utilizada, portanto, para evitar que isso aconteça. Essa é a primeira versão comercial que está sendo lançada no nosso País. Pelos benefícios relacionados a automatização e agilidade no cuidado da saúde do paciente, temos certeza que provocará grandes mudanças ao setor”, afirma Christiano Berti, diretor da Unidade de Negócios Medicina Diagnóstica da MV.  

De acordo com ele, esse é apenas um dos recursos com inteligência artificial ofertados pela MV ao mercado. “O potencial desse conceito tecnológico na Radiologia é enorme. Por isso, estamos investindo fortemente para integrar novos recursos à plataforma VIVACE MV”, comenta. “Estamos num futuro muito próximo para que a inteligência artificial exerça importante papel também no apoio a decisões clínicas e assertividade dos diagnósticos. Mas ressalto para o uso da tecnologia como apoio, pois um diagnóstico correto é alcançado com acesso a dados clínicos do paciente (evolução da doença, presença ou ausência de sinais e sintomas, localização de lesão) e imagens prévias da mesma região ou de diferentes modalidades de exames. Portanto, nenhuma inteligência que não seja a humana será mais adequada para a emissão de diagnósticos.”

 

Mais da MV na 49ª JPR

O VIVACE Medical Report, outra novidade do evento, é uma nova versão da ferramenta de edição de laudos. Disponível em HTML5, a solução que possibilita ao médico radiologista acessar remotamente imagens de exames e laudar à distância está mais moderna e eficaz para o avanço da telerradiologia. Além de laudo remoto sem restrições de visualização de exames, o VIVACE Medical Report conta com sistema de reconhecimento de voz e assistente virtual com acesso a informações do paciente no prontuário eletrônico, possibilitando o cruzamento de dados clínicos.

A solução para visualização de imagens no VIVACE MV é mais uma tecnologia que agora conta com recursos mais avançados de pós-processamento. Exemplos: em imagens cerebrais, há possibilidade de fusão, segmentação e estudo de perfusão por ressonância magnética; em imagens cardíacas, mais facilidade para quantificação e medição; em imagens hepáticas, melhores ferramentas para identificação de ramificações vasculares, planejamento de volumetria e visualização 3D.