22 / Junho / 2020

Gestão hospitalar: 3 passos para destravar barreiras de progressão no atendimento

3 passos pra destravar barreiras de progressão no atendimento

Atrasos na liberação de medicamentos, de pré-certificação para níveis mais baixos de atendimento ou até para internações são responsáveis por 36% das interferências nos fluxos de atendimento.

Ter um fluxo de atendimento contínuo no cuidado com a saúde é fator essencial não apenas para garantir que o paciente receba toda a atenção necessária, mas também para assegurar que não haja complicadores à gestão hospitalar.

Um estudo realizado pela empresa norte-americana Care Logistics aponta algumas das principais barreiras que impedem o fluxo contínuo e impactam na segurança do paciente. Por exemplo: atrasos médicos afetam um paciente, em média, por 48 horas e 30 minutos, o que resulta em um atraso de mais de dois dias na sequência do atendimento.

 Outras barreiras comuns citadas pelo levantamento incluem:

  • Medicamentos: responsável por 11% dos atrasos
  • Atuação de médicos (como atraso em consultas, demora nos procedimentos e disponibilização de resultados): ocasiona 12% do total de interrupções do fluxo.
  • Diagnósticos e procedimentos (pendências em resultados, avaliação terapêutica, agendamento de diagnósticos, atrasos laboratoriais):  responsáveis por 13,4% de atrasos
  • Liberação (seja de medicamento, de pré-certificação para níveis mais baixos de atendimento, ou internações): responsáveis por mais de 36% das interferências nos fluxos de atendimento.

 É imprescindível o acompanhamento dessas barreiras para garantir a sua mitigação. Assim, tecnologias de análise preditiva, como a criação de padrões de eficiência e seu monitoramento por meio de salas de situação, tornam-se aliadas da administração do hospital para a garantia da segurança do cuidado.

"Na saúde, mais especificamente na jornada do paciente dentro dos hospitais, as análises preditivas podem trazer insights significativos para diminuir pontos de atrito e interrupção de progresso", afirma Wagner Sanchez, coordenador acadêmico do MBA em Health Tech da FIAP.

O especialista elenca três fatores fundamentais para a gestão hospitalar observar e, assim, reduzir ocorrências e garantir a otimização do fluxo assistencial:

1. Investir em tecnologia

Ferramentas para realizar análise preditiva trazem a eficiência exigida à progressão do atendimento, tornando o cenário de previsões possível e auxiliando na tomada de decisão em prol da eliminação das barreiras. "Sistemas computacionais permitem a realização das análises preditivas, utilizando-se das tecnologias de inteligência artificial, machine learning, data science, business intelligence e outras, que dependem de dados coletados na jornada do paciente", complementa.

O especialista cita especificamente o machine learning como método de análise e interpretação de dados fundamental para sistematizar o desenvolvimento de modelos matemáticos com uso de algoritmos. "O aprendizado de máquina permite que os sistemas computacionais encontrem insights ocultos sem serem programados especificamente para procurar algo." Em última instância, o modelo traz, também, ganho de competitividade para a instituição que utiliza essa tecnologia em favor da gestão.

2. Garantir a qualidade dos dados

Garantir a credibilidade de informações para promover assertividade nas análises é um desafio na busca por melhores previsões. Para Sanchez, as lideranças precisam, antes de tudo, assegurar a confiabilidade de dados.

O especialista ressalta que é igualmente importante para a gestão do hospital ter consciência da importância desse tipo de investimento, porque a coleta de dados tende a demandar tempo. "Imagine um projeto de um grande hospital recém-inaugurado que precisa coletar dados por pelo menos seis meses para só depois produzir conhecimento a partir deles. É um cenário que geralmente desestimula investimentos na coleta, no armazenamento e garantia de qualidade dos dados, fatores tão importantes para a Saúde Digital.

3. Dar visibilidade as análises

Uma vez que as coletas foram realizadas e as análises começam a ser feitas, é preciso monitorar. Dessa forma, é possível identificar onde está o problema e corrigi-lo, mitigando seu aparecimento em atendimentos futuros.

Nesse sentido, criar padrões e estabelecer uma sala de situação para monitorá-los é um caminho para a erradicação das barreiras. "É essencial que gestores invistam em unidades que possam identificar, coletar e garantir a qualidade dos dados. Todo esse processo auxilia na criação dos sistemas de predição e, por consequência, é um importante apoio para mitigar as barreiras da jornada do paciente", afirma Sanchez.

O especialista salienta que, nesse cenário, CIOs, CTOs e demais executivos da alta gestão hospitalar, como presidentes, entram como "protagonistas na implantação destas unidades de comando e controle, patrocinando o projeto e visando minimizar as resistências".

 

Uma vez estabelecidos esses três passos elencados pelo especialista da FIAP, é possível trazer visibilidade às análises e facilitar o monitoramento em tempo real, o que garante à gestão hospitalar consequente aumento na receita, maior reembolso e redução de dias evitáveis, além, claro, da segurança na assistência ao paciente - fator primordial para destravar as barreiras de progressão.

eBook: 4 passos para gerenciar indicadores e obter sucesso na Gestão Hospitalar

eBook: 4 passos para gerenciar indicadores e obter sucesso na Gestão Hospitalar

Baixar